PCdoB assume desafio de ampliar votação de Lula em SP

Reunidos em grande plenária na capital paulista, os comunistas de São Paulo decidiram concentrar todas suas energias na batalha do segundo turno das eleições para ajudar a levar Lula à vitória.

Nas intervenções, ficou clara a consciência de que foi no estado de São Paulo que a onda conservadora capitaneada pela mídia, para levar as eleições para o segundo turno, teve maior impacto. Já nos pleitos anteriores os comunistas registravam que o estado havia se configurado como um forte reduto da oposição conservadora. No primeiro turno deste ano, no entanto, formou-se uma verdadeira onda contra o campo das mudanças, que procurou inibir os eleitores de Lula e acabou intimidando parte do eleitorado.
Foi uma combinação da campanha descarada da mídia e da máquina política e social das elites.

“São Paulo não pode ser expressão só das idéias da elite. É preciso chamar o povo de São Paulo para se manifestar”, afirmou Nádia Campeão, presidente estadual do PCdoB.

Saiba Mais em:
http://www.vermelho.org.br/base.asp?texto=8492

AddThis Social Bookmark Button

3 comentários

  • marcosomag  
    8/10/06 10:11 PM

    Sumiu site da ONG que arrecadava dinheiro ilegalmente para campanha de Geraldo Alckmin!

    O Tribunal Superior Eleitoral decide esta semana se vai investigar a suspeita de que uma ONG de nome Nova Política arrecadou resursos de forma ilegal para a campanha do presidenciável tucano Geraldo Alckmin. A denúncia foi feita pela coligação A Força do Povo que flagrou no site da ONG um sistema de arrecadação que pode ser configurado como caixa dois. Mas desde que a denúncia tornou-se pública, o conteúdo do site "sumiu" misteriosamente.


    A representação pede a cassação da candidatura à Presidência de Geraldo Alckmin (PSDB) por prática de caixa dois. A informação é do site do TSE.


    A coligação A Força do Povo afirma que a entidade civil Nova Política faria "explícita e irregular" propaganda para Geraldo Alckmin e que teria sido criada para dar sustentação à candidatura dele, além de suporte logístico e financeiro.


    Na última segunda-feira (2), o corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro César Asfor Rocha, afirmou que a Corregedoria não tinha competência para julgar o caso, por se tratar de processo que pretende apurar eventuais condutas ilícitas relativas à arrecadação de recursos não contabilizados em prestação de contas (caixa dois).


    Ao protocolar os pedidos de investigação judicial, no último sábado (30/9), o advogado Márcio Luiz Silva declarou que há suspeita que o PSDB recebeu ilicitamente recursos da ONG Nova Política. O advogado afirmou que, em seu site na internet, a ONG divulgou uma mensagem para que fossem feitas doações à campanha tucana - prática que, segundo ele, seria utilizada para burlar a legislação eleitoral, ao mascarar os verdadeiros doadores.


    Após ser denunciada, a ONG Nova Política tirou o conteúdo de seu site (http://www.novapolitica.org.br/ ) da internet. A reportagem do Vermelho tentou nesta quinta-feira (5) acessar a página diversas vezes e nenhum conteúdo estava disponível.


    O sistema de buscas Google costuma fazer cópias das páginas e as oferece para consultas no formato "cache", onde costumam ser mostrados os conteúdos do site mesmo que os responsáveis pela página o tirem do ar. O último armazenamento que o Google fez da página da ONG Nova Política foi no último dia 28 de setembro e já naquela data, o site estava misteriosamente vazio, apresentando apenas 1Kb de conteúdo inacessível.


    Márcio Luiz Silva também levantou suspeitas sobre a organização que, segundo ele, seria presididida por um servidor do Senado Federal. "Quando você tem a doação direta ao candidato, tem que identificar o doador. Quando ocorre por terceiros, eventualmente pode receber doação de fonte vedada. O TSE proíbe esse tipo de possibilidade. Por isso pedimos a investigação", explicou.


    "SUPERCHUCHU"- A ONG não atuou apenas na arrecadação de dinheiro para a campanha de Alckmin e na montagem de comitês, como o de Porto Alegre, montado em frente ao Parque da Redenção. Segundo nota publicada no jornal Vale Paraibano, da região de São José dos Campos (SP), a ONG Nova Política também pretendia criar um personagem chamado "Superchuchu", que "ganharia sabor" estampado em camisetas e em histórias em quadrinhos, entre outros materiais da campanha tucana. Uma proposta de leiaute do personagem chegou a ser criada pelo ilustrador Bravo.


    Segundo o jornal, a idéia era colocar no cardápio eleitoral o marketing às avessas do apelido "picolé de chuchu", dado a Alckmin pelos adversários que o classificam como insosso e sem carisma.


    "Em uma reunião na semana passada com a direção da frente, Alckmin aprovou a receita da criação do personagem. Procurado ontem pelo ValeParaibano, o tucano não comentou o assunto", registra o jornal.


    Ao que parece, a proposta foi bombardeada a tempo de não se concretizar.


    Silvério Teles Baeta Zebral Filho, um dos coordenadores da ONG, alegou na ocasião que "Nossa idéia com o Superchuchu é criar algo divertido, com bom-humor, que mexa com as pessoas durante a campanha".


    CONEXÃO PUC-RIO - Zebral Filho é também o presidente de uma entidade denominada Julad/Brasil (Juventude Latino-Americana pela Democracia). É a Julad quem detérm o registro do site da ONG Nova Política. Zebral também seria o dono da conta indicada para doações à campanha tucana.


    No site da Julad, que ainda pode ser acessado, a entidade apresenta-se como "uma organização não governamental, de caráter suprapartidário dedicada à formação de nova geração de lideranças políticas brasileiras comprometidas com as instituições da democracia liberal, a economia social de mercado, o primado de Lei e do Estado de Direito, o desenvolvimento econômico promotor da equidade social, a revalorização da atividade política baseada na ética da solidariedade e do humanismo integral".


    Zebral, ligado ao PFL do Rio, é oriundo do movimento estudantil da PUC-RIO, universidade onde formou-se o grupo integrado por economistas neoliberais que inspiraram o o governo FHC, como Armínio Fraga, André Lara Resende, Edmar Bacha, Edward Amadeo, Gustavo Franco, Pedro Malan, Pérsio Arida, entre outros.


    Na lista de parceiros institucionais que a Julad elenca em seu site aparecem o PSDB, o PFL e a PUC-Rio entre vários outros.

    Original de Claúdio Gonzalez, em http://www.vermelho.org.br/

    Transcrito por Marcosomag.

  • Jeff McFly  
    8/10/06 11:51 PM

    Olá, Guina.
    Obrigado pela visita no blog, pelo comentário, e mais ainda pelo link. Sou muito grato.
    Continuemos na luta, pois só a gente pode ir contra todo o Império da editora Abril e da Rede Globo.
    Um abraço e 13 neles!

  • Igor Romanov  
    9/10/06 8:47 AM

    Extra! Extra! Uma Virgem no Bordel!
    Saiba mais no blog:
    http://alexeievitchromanov.zip.net

Postar um comentário