Festa em Brasília

Por Marcos Loures

Fui convidado a participar de uma festa em Brasília, numa mansão espetacular, onde soube que se reuniriam vários políticos e empresários.A festa seria regada a uísque escocês e vinho italiano, servidos junto com croquetes de camarão e porções generosas de caviar.O jantar teria como prato principal um faisão assado à caçadora, feito por uma cozinheira mato-grossense, especialmente convidada para este evento.Os garçons, contratados a um buffet dos mais luxuosos de Brasília, estavam acompanhados por belas e deliciosas meninas, disfarçadas de garçonetes, que seriam segundo informações que obtive nada mais nada menos que "acompanhantes" requisitadas a peso de ouro, entre as mais importantes casas do gênero da capital federal, por uma promoteur, ou pró meter, sei lá como chama esse tipo de profissional...Falar em informações obtidas, uma coisa me deixou assustado nessa festa;Malas e malas de dinheiro eram repassadas à frente de todos inclusive, pasmem, do motorista do dono da Maison s´urubê, como era conhecida tal mansão.Havia um caseiro que, meio que disfarçadamente, observava a todos que chegavam, anotando as placas e quem dirigia, para depois, segundo me disse, jogar no bicho.Perguntei o porquê de anotar as placas e conferir quem dirigia, pelo fato da festa ser privé e exigir, por isso mesmo, muita discrição.Outra coisa que me chamou a atenção, e disso a cozinheira pode servir de testemunha, é que tramava-se assassinatos e roubos à frente de todos; inclusive do principal "bicheiro" da região onde, provavelmente, o porteiro fazia suas "fezinhas".No meio dessa festança, de repente, num dos vários shows de strip tease, quando uma cena me chamou a atenção; um japonesinho, um outro moço com sotaque caipira e outro com a língua presa, parecendo que tinha fimose na língua, saíram com malas cheias e, por incrível que pareça, estava escrito DINHEIRO nas malas abarrotadas.Achei estranho, mas não falei nada, já que a cozinheira me disse que isso era corriqueiro na casa do patrão dela, e os três, que eram conhecidos como trio PARADA DURA, eram costumeiros em fazer esse tipo de coisa.Outra coisa que me tranqüilizou com relação a isso, foi o fato do caseiro ter me dito que o moço da língua presa ter feito isso, várias vezes.Inclusive achava estranho a divisão de a grana ser feita daquela forma mais usual:"Uma pra você, outra pra mim, uma pra você, uma pra mim".No final da festa, haveria uma orgia, e essa era a parte mais esperada por todos.A pró meter fez um sorteio, que lembrava a divisão do dinheiro.Pena que, como tinha mais homens que meninas, me sobrou a cozinheira.E vou falar com vocês, não valeu a pena não.Ela falava muito e agia pouco; gostava mesmo era de contar papo.Que era isso, era aquilo, etc...Fiquei muito aperreado, enquanto o pessoal lá se divertia, eu tinha que encarar essa.Isso foi osso duro de roer.Da próxima vez, acho que não vou mais não ou, quem sabe, vou procurar uns políticos desses da vida, dar um caô e ver se faturo uma grana.Por que o negócio aqui fora tá feio!

AddThis Social Bookmark Button

6 comentários

  • Paula Evilásia  
    8/6/06 10:24 PM

    As agressões contra a democracia e o Estado de Direito do afamado bisbilhoteiro e contumaz pilantropista baiano são sintomáticas.
    Verme acostumado a viver da decomposição dos corpos e da dignidade alheia, ao que sempre fomentou durante a longa vida de civil servil e complacente com todas as formas de exploração do ser humano, sempre bajulou e foi bajulado.
    Originário da escória política desse país, a maldita Arena, criadora e alimentadora de atos contra a humanidade e contra a hombridade de um povo, essa pessoa nefasta, costuma ter, atrás de si, um bando de “cantores" baianos, todos à mercê de qualquer cemerréis para poder ter algum destaque nacional.
    Sempre esteve acobertado e acobertando, sempre se utilizou de métodos espúrios e covardes para se manter no poder.
    Um episódio demonstra bem a sordidez de caráter do cidadão “raivoso”:
    “Estava na Presidência da República, Itamar Franco, visceralmente antagônico a tal criatura, quando o mesmo, ameaçadoramente tentou coagir o presidente dizendo ter um dossiê que mostraria atos de corrupção do Governo Federal”.
    Ao que, prontamente Itamar aceitou receber o nefasto, porém com a Imprensa convidada e sendo solicitada a abertura do tal dossiê, foi aberta, constrangedoramente, a tal pasta que continha nada mais que recortes de jornal.
    Feitiço virado contra o feiticeiro, o decrépito se retira enfurecido e desmoralizado.
    Noutro episodio, sua fúria pela bisbilhotagem lhe custou a desmoralizante “saída pelos fundos” da renúncia.
    Esse episódio me traz à lembrança a cara deslambida do seu neto, metrossexual famoso, num programa desses “populares” atacar veementemente aqueles que se utilizaram do mesmo expediente canalha para não serem punidos no caso do Mensalão.
    Que o Chiclete com Banana, a Daniela Mercury entre outros lambam os pés desse senhor, tudo bem; mas o Caetano Veloso demonstrando total desapreço pela sua biografia, dar a entender que coaduna do mesmo lambe pés é duro.
    As atitudes constantemente antidemocráticas desse obsoleto e pútrido cidadão permitem que se peça, por amor ao Estado de Direito, a expulsão ad eternum disso da vida pública. Para o bem do País e mesmo da oposição que, ao se deixar identificar com um cidadão de tal nível, perde uma característica fundamental a qualquer político que se preze: O AMOR À DEMOCRACIA!

  • Anônimo  
    9/6/06 8:12 AM

    Prezado Guina,
    Estou fazendo um trabalho acadêmico sobre “blogs partidários” e pretendo utilizar o seu blog como exemplo. Estudo jornalismo na Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte (6º período) e o trabalho consiste no seguinte:
    Saber qual é a proposta (objetivos) do autor do blog, se vem atingindo essa proposta, o público alvo, o perfil dos usuários e também do autor.
    Na oportunidade, aproveito para parabenizar pelo trabalho e enviar meus agradecimentos.
    Aguardo a sua atenção, o mais breve possível.
    Obrigado.
    Guilherme de Carvalho
    gcgbh@bol.com.br

  • Anônimo  
    9/6/06 8:12 AM

    Prezado Guina,
    Estou fazendo um trabalho acadêmico sobre “blogs partidários” e pretendo utilizar o seu blog como exemplo. Estudo jornalismo na Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte (6º período) e o trabalho consiste no seguinte:
    Saber qual é a proposta (objetivos) do autor do blog, se vem atingindo essa proposta, o público alvo, o perfil dos usuários e também do autor.
    Na oportunidade, aproveito para parabenizar pelo trabalho e enviar meus agradecimentos.
    Aguardo a sua atenção, o mais breve possível.
    Obrigado.
    Guilherme de Carvalho
    gcgbh@bol.com.br

  • Anônimo  
    9/6/06 8:12 AM

    Prezado Guina,
    Estou fazendo um trabalho acadêmico sobre “blogs partidários” e pretendo utilizar o seu blog como exemplo. Estudo jornalismo na Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte (6º período) e o trabalho consiste no seguinte:
    Saber qual é a proposta (objetivos) do autor do blog, se vem atingindo essa proposta, o público alvo, o perfil dos usuários e também do autor.
    Na oportunidade, aproveito para parabenizar pelo trabalho e enviar meus agradecimentos.
    Aguardo a sua atenção, o mais breve possível.
    Obrigado.
    Guilherme de Carvalho
    gcgbh@bol.com.br

  • Anônimo  
    9/6/06 8:13 AM

    Prezado Guina,
    Estou fazendo um trabalho acadêmico sobre “blogs partidários” e pretendo utilizar o seu blog como exemplo. Estudo jornalismo na Faculdade Estácio de Sá de Belo Horizonte (6º período) e o trabalho consiste no seguinte:
    Saber qual é a proposta (objetivos) do autor do blog, se vem atingindo essa proposta, o público alvo, o perfil dos usuários e também do autor.
    Na oportunidade, aproveito para parabenizar pelo trabalho e enviar meus agradecimentos.
    Aguardo a sua atenção, o mais breve possível.
    Obrigado.
    Guilherme de Carvalho
    gcgbh@bol.com.br

  • Jussara  
    9/6/06 10:24 AM

    Perfeito muito bom dei boas gargalhadas! Eles pensam que o povo burro, só pode ser isso.


    Parabéns.

Postar um comentário